906

SIMP PARTICIPA DE FORMAÇÃO JURÍDICA SOBRE APOSENTADORIAS ESPECIAIS DE SERVIDORES PÚBLICOS

O Sindicato dos Municipários esteve representado no Curso de Formação sobre Aposentadorias Especiais de Servidores Públicos – Análises e Procedimentos, realizado em Porto Alegre nos dias 26 e 27, terça e quarta-feira respectivamente desta semana, promovido pelo Instituto Gamma de Assessoria a Órgãos Públicos, IGAM. O vice-presidente do Simp, Tiago Botelho, que integra o Conselho Deliberativo do PREVPEL, participou do evento.

Tiago salienta a importância do Curso, que “foi de grande valia, pois abordou aspectos jurídicos e técnicos de assuntos ligados a área previdenciária, mais especificamente aposentadorias especiais de servidores públicos, a exemplo de requisitos para obtenção, como proceder para protocolos, obrigações do Poder Executivo e direitos dos trabalhadores”.

O vice-presidente do Sindicato dos Municipários explica que no que tange à aposentadoria da pessoa com deficiência, existe a Lei Complementar número 142 de 08 de maio de 2013, além do Decreto Federal número 8.145 de 03 de dezembro de 2013, onde reconhecem o direito a aposentadoria para pessoa com deficiência que tenha impedimentos de longo prazo de natureza física, mental, intelectual ou sensorial, os quais, em interação com diversas barreiras, podem obstruir sua participação plena e efetiva na sociedade em igualdade de condições com as demais pessoas. Esta legislação aplica-se diretamente aos servidores públicos do Regime Geral de Previdência Social (RGPS), que são os Celetistas, porém, ela não abrange servidores de Regimes Próprios de Previdência Social (RPPS), no caso, os servidores Estatutários.

Para os Estatutários deveria haver uma regulamentação em lei local ou municipal para tal concessão, ou no mínimo uma Súmula Vinculante do STF que determinasse a aplicação a estes nas mesmas regras do Regime Geral. Logo, servidores que sejam portadores de deficiência, a orientação é que busquem ingressar judicialmente via Mandado de Injunção, com base na Lei Complementar 142/2013.

Quanto à aposentadoria especial de professores, que há muito é prevista na Constituição Federal, foi citado recente julgamento do Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Sul (TCE/RS), de 13 de outubro de 2015, onde houve o entendimento de que professores que durante sua vida funcional tenham exercido atividades de supervisão pedagógica e coordenação pedagógica, não estando em sala de aula, inclusive fora do ambiente escolar (secretaria), tal circunstância não tem o condão de descaracterizar a função docente, ou seja, reconhecendo de igual forma o direito à aposentadoria especial para estes profissionais.

Sobre a aposentadoria especial no serviço público para outros cargos, como guardas municipais e profissionais da saúde, por exemplo, houve a orientação de que embora não haja uma regulamentação em nível Federal, justamente por diversas ações judiciais ocorridas em todo o país ocasionou a edição de uma Súmula Vinculante do Supremo Tribunal Federal (STF), de número 33, que aplica a todo o servidor público, no que couber, as regras do RGPS, sobre aposentadoria especial prevista na Constituição Federal, até a edição de Lei Complementar específica. Em suma, os RPPS’s, nas condições definidas pela Legislação Federal, devem receber e analisar todos os pedidos das condições especiais que produzem prejuízo à saúde e à integridade física do servidor segurado, haja vista que a Nota Técnica do Ministério da Previdência Social número 02/14 esclarece a amplitude dos efeitos de tal Súmula Vinculante aos servidores amparados por RPPS, no nosso caso, os segurados do PREVPEL.

Portanto, conforme Tiago, todo o servidor público tem o direito de apresentar requerimento à Administração Pública de análise de seu pedido de aposentadoria especial e esta, por sua vez, tem a obrigação de, a partir de tal protocolo, fornecer o Perfil Profissiográfico Previdenciário (PPP), além de emitir Laudo Técnico de Condições Ambientais do Trabalho (LTCAT) e, posteriormente, toda esta documentação ser encaminhada ao Serviço de Perícia Médica do Instituto de Previdência própria (PREVPEL), onde o médico perito do trabalho fará o enquadramento final para fins de aposentadoria especial. A Instrução Normativa do Ministério da Previdência Social número 1/2010 estabelece as instruções que os órgãos públicos (inclusive municipais) devem fazer para o procedimento de reconhecimento de tempo de atividade especial.

“Somos sabedouros de que diversos servidores, mais especificamente Guardas Municipais, têm feito seus protocolos pedindo análise de aposentadoria especial junto à Secretaria de Gestão Administrativa e Financeira (SGAF) e tendo lá seus requerimentos negados pela simples alegação de não haver legislação, o que não confere e revela total desconhecimento jurídico, pois a Súmula Vinculante do STF garante o direito de, analisadas as condições acima citadas, obrigatoriamente devem ser cumpridas pela Prefeitura, logo, orientamos que os servidores apresentem seus requerimentos exatamente na forma mencionada, e, havendo negativa mesmo diante desta orientação, sendo sócios do Simp devem procurar a assessoria jurídica da entidade”, finaliza o vice-presidente do Sindicato.

11016080_748629375251466_281636212088369252_n

SAÚDE DOS SERVIDORES MUNICIPAIS: CREMERS ARQUIVA SINDICÂNCIA CONTRA EX-MÉDICA DA BIOMETRIA

A antiga médica do trabalho da Biometria do Município, Dra. Rossana Guidotti, teve arquivada a denúncia apresentada pelo Simp ao Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio Grande do Sul, Cremers, pelo entendimento deste órgão de que não houve indícios de infração ao Código de Ética Médica.

O Simp lembra que ao longo de todo o tempo em que a referida médica esteve em contrato com a Prefeitura foram apresentadas diversas denúncias a respeito de negativas de validação de atestados médicos concedidos aos servidores por esta profissional, muitas vezes sequer os examinava e agia com falta de educação.

O Sindicato inclusive obteve liminares judiciais favoráveis a servidores que num primeiro momento foram apontados como impedidos pela médica a assumirem cargos no serviço público, sendo que dentre alguns destes já eram servidores do quadro e estavam tentando assumir outro cargo.

Em decorrência de vários problemas causados pela profissional, gerou audiências públicas na Câmara de Vereadores, reuniões e encaminhamento de denúncias a órgãos como Ministério Público Estadual, Justiça do Trabalho, o próprio Cremers e à Prefeitura, sendo que esta nunca manifestou-se sobre o caso.

Da denúncia do Simp apresentada ao Cremers, que gerou a sindicância, foi apresentada informação devidamente documentada e oficial de que esta mesma médica teria apresentado um atestado médico falso enquanto servidora da Prefeitura de Gaspar, em Santa Catarina, ou seja, ao mesmo tempo estando afastada por motivos de saúde do referido Município, trabalhava em um hospital particular na cidade de Pomerode, o que resultou na instauração de um Processo Administrativo Disciplinar (PAD) e concluiu que a mesma agiu de forma configurando ato de improbidade, mau procedimento, má-fé e falta de ética profissional, sendo-lhe aplicada a penalidade de demissão.

“Para nós, foi assustador uma profissional que causou tanto transtorno e até sofrimento aos municipários e que teve uma condenação através de um PAD por uso indevido de atestado médico na cidade de Gaspar, ter sido arquivado no Conselho que prima pela ética médica, pelo profissionalismo e pela proteção à saúde, com a conclusão de não haver sido identificado qualquer indício de infração ao Código de Ética Médica”, critica o vice-presidente do Simp, Tiago Botelho.

“É estranho que um profissional com este histórico, não só na iniciativa privada quanto no setor público, tenha além de alterado, questionado e modificado atestados médicos e vidas de alguns servidores, possa ter sido totalmente isentado pelo seu Conselho ético”, finaliza Tiago.

profuncionario

FUNCIONÁRIOS DE ESCOLAS: SMED RESPONDE SOBRE PROFUNCIONÁRIO 2016

O Simp recebeu resposta da SMED através da secretária substituta Luciene de Oliveira Fernandes, acerca dos questionamentos apresentados pelo Sindicato sobre o Programa Profuncionário deste ano, voltado à formação em nível técnico médio de servidores de escolas.

Dentre os questionamentos, constam quem seria a pessoa responsável ou designada pela SMED para receber as inscrições, de que forma os funcionários interessados poderiam inscrever-se e prazos para estes procedimentos, haja vista que o IFSUL abrirá novas turmas em junho/julho deste ano.

Segundo a resposta da SMED, esta em contato telefônico com o setor responsável no IFSUL, em 28 de março de 2016, obteve a informação que ainda não há data confirmada para o início, e que tão logo o Instituto tenha as informações necessárias, disponibilizará à Secretaria, e esta por sua vez abrirá prazo para as inscrições dos funcionários, oficiando ao Simp para que auxilie na divulgação, como já vem fazendo há anos.

O Simp, como tradicionalmente em todos os anos, participa através da divulgação prévia das informações, mas para isto necessita dos dados o mais breve possível, pois é de extremo interesse da categoria envolvida participar desta oferta.

clínico-geral1 (1)

ATENÇÃO SÓCIOS E DEPENDENTES: ATENDIMENTO COM A CLÍNICA GERAL

O SIMP informa que não haverá atendimento da clínica geral, Drª. Rosangela Terres, na sexta-feira (22/04).

Lembrando que fica mantido o atendimento normal de todos os demais serviços da entidade, haja vista que o Prefeito não decretou ponto facultativo.

  • Últimos Vídeos

    Programa de TV do SIMP de 22/04/16
  • Programas SIMP

    Rádio Com 104,5 Fm
    Ouça Agora
    Quinta das 18:00 às 19:00


    Televisão
    Sexta das 19:00 às 20:00
    Canal 2 Viacabo
    Canal 14 NET

  • Tweets do SIMP

    Siga-me no Twitter!
  • Sugestões

    Sugestões